Arquivo da tag: sex

A Doença, a Loucura e a Morte

Não é que eu ache que que falar de mim mesmo seja tão interessante, por considerar-me uma pessoa extraordinária. É que eu sou o ser humano com o qual eu sempre tive mais afinidade, apesar de não me conhecer tão bem assim. É diferente de se sentir extraordinário. Eu não sou extraordinário, mas tenho potencial para ser e sei disso. É o que tem me impedido de desenvolver esse potencial, o assunto a ser discorrido.

Ansiedade é uma palavra que se aprende cedo, quando se é criado num contexto de merecimento, onde os pais não misturam educação com dinheiro, sendo apenas duas, as ocasiões anuais nas quais há garantia de se receber um presente. O aniversário e o natal. No natal é o Papai Noel quem presenteia, portanto dos meus pais, só havia garantia uma vez ao ano. Mas isso foi quando a vida era mais dura pra eles. Foi só durante a minha infância.

As economias começaram a melhorar, coincidentemente, quando meu papai foi embora. Não culpem um homem para atestar o sucesso do outro. O que é a culpa, afinal? Eu disse “coincidentemente”, não disse? Pois sim, as economias melhoraram, mas o estrago já estava feito. Eu aprimorei uma determinada habilidade de me contentar muito com muito pouco. Mas isso é porque eu sou otimista. Muitas crianças que eu conheci, depois das coisas “melhorarem lá em casa”, não aceitavam não ganhar presentes quando o noticiário os anunciava, não poder ter sua festa de aniversário com trezentos convidados, não poder viajar nas férias do meio e do fim do ano, e não poder ganhar um carro depois de cumprir sua obrigatoriedade educacional no ensino médio. Com essas crianças eu até me dava bem. As outras, porém, são grandes amigos até hoje.

Portanto eu aprimorei essa habilidade de me contentar muito, com muito pouco. O que era uma habilidade, passou a se tornar um transtorno. De transtorno para condição. E não há nada pior na vida que viver condicionado. Eu me lembro de uma aula de biologia. A professora era uma gata, meio doida, que sempre fazia conotações sexuais com o assunto em vigência. Ela falou do “Reflexo Condicionado”, eu nunca me esqueço. O reflexo condicionado é a maneira como o corpo animal reage espontaneamente, tendo sido condicionado através de estímulos sensoriais, referentes a um objeto de desejo, continuamente. É o cachorro vir correndo quando você finge estar segurando comida, num gesto de mão. Ela disse que é por isso que os homens se excitam com decotes, pois o corpo deles associa aquela nuance exposta do corpo íntimo, ao próprio ato sexual.

O reflexo condicionado é o ponto de partida de um discurso babaca como o da defesa do estupro, tendo em vista aquele mesmo decote. É a comida que não está na mão do dono do cachorro. “É aquela coisa da qual são feitos os sonhos”. A professora estava com decote. Eu vivo condicionado pela ideia de satisfação prematura que adquiri. “Pra que ser melhor, se assim já está bom?”. “Pra que divulgar minha produção, se meus amigos já estão achando legal?”. “Pra que ser feliz, se triste eu estou mais ou menos contente?”.

5 Comentários

Arquivado em A Doença a Loucura e a Morte, Caderninhos

Daqui um ano, terei 12 posts…

Provavelmente.

Spoiler da “tirona”, de duas páginas que fiz pra segunda edição da revista Golden Shower, da querida Cynthia B..

Não entenda mal, o tema geral da história é putaria mesmo.

Publicarei mais spoilers até o lançamento da revista. Depois do lançamento, só verá quem comprar.

Deixe um comentário

Arquivado em Quadrinhos